Tecnologia do Blogger.

[RESENHA] Desventuras em Série 1-2-3-4

by - 14:57

Olá pessoal! Dessa vez decidi fazer um pouco diferente. Como a maioria sabe, essa série é um pouquiiiinho longa (13 livros), então eu farei resenhas em conjunto, ou mais pra frente se a história do livro pedir, talvez individual, mas não acho que seja o caso desses quatro primeiro livros. Também me ocorreu a ideia por causa do seriado que foi lançado esse ano pela Netflix, onde a primeira temporada conta a história exatamente dos quatro primeiros. Assim aproveito e dou a minha opinião sobre a série também! Então, vamos lá!

Os quatro primeiro livros são:

Mau Começo
Mau Começo

Autor: Lemony Snicket

Editora: Seguinte

Ano: 2016

Número de Pags: 152


'Mau começo' é o primeiro volume de uma série em que Lemony Snicket conta as desventuras dos irmãos Baudelaire. Violet, Klaus e Sunny são encantadores e inteligentes, mas ocupam o primeiro lugar na classificação das pessoas mais infelizes do mundo. De fato, a infelicidade segue os seus passos desde a primeira página, quando eles estão na praia e recebem uma trágica notícia. Esses ímãs que atraem desgraças terão de enfrentar, por exemplo, roupas que pinicam o corpo, um gosmento vilão dominado pela cobiça, um incêndio calamitoso e mingau frio no café da manhã. É por isso que, logo na quarta capa, Snicket avisa ao leitor: 'Não há nada que o impeça de fechar o livro imediatamente e sair para uma outra leitura sobre coisas felizes, se é isso que você prefere'.

A Sala dos Répteis
A Sala dos Répteis

Autor: Lemony Snicket

Editora: Seguinte

Ano: 2016

Número de Pags: 184


Lemony Snicket é um autor que não pode ser acusado de falta de franqueza. Sabe que nem todo mundo suporta as tristezas que ele conta e por isso - para que depois ninguém reclame - faz questão de avisar: 'Se você esperava encontrar uma história tranqüila e alegre, lamento dizer que escolheu o livro errado. A história pode parecer animadora no início, quando os meninos Baudelaire passam o tempo em companhia de alguns répteis interessantes e de um tio alto-astral, mas não se deixem enganar...'

Os Baudelaire têm mesmo uma incrível má sorte, mas pode-se afirmar que a vida deles seria bem mais fácil se não tivessem de enfrentar o tempo todo as armadilhas de seu arquiinimigo: o conde Olaf, um homem revoltante, gosmento e pérfido. Em 'Mau Começo' ele deu uma pequena amostra do que é capaz de fazer para infernizar a vida de Violet, Klaus e Sunny Baudelaire - e aqui as coisas só pioram.

O Lago das Sanguessugas
O Lago das Sanguessugas

Autor: Lemony Snicket

Editora: Seguinte

Ano: 2016

Número de Pags: 192


O misterioso autor das Desventuras em Série não só alcançou a lista de best-sellers infanto-juvenis do New York Times, como conseguiu entrar em todas as outras principais referências de vendagem americanas. Com sua estranha franqueza, na contracapa deste livro ele manda um recado a seus possíveis leitores:

"Caro leitor,
Se você ainda não leu nada sobre os órfãos Baudelaire, é preciso que antes mesmo de começar a primeira frase deste livro fique sabendo o seguinte: Violet, Klaus e Sunny são legais e superinteligentes, mas a vida deles, lamento dizer, está repleta de má sorte e infelicidade. Todas as histórias sobre essas três crianças são uma tristeza e uma verdadeira desgraça, e a que você tem nas mãos talvez seja a pior de todas. Se você não tem estômago para engolir uma história que inclui um furacão, uma invenção para sinalizar pedidos de socorro, sanguessugas famintas, caldo frio de pepinos, um horrendo vilão e uma boneca chamada Perfeita Fortuna, é provável que se desespere ao ler este livro. Continuarei a registrar essas histórias trágicas, pois é o que sei fazer. Cabe a você, no entanto, decidir se verdadeiramente será capaz de suportar esta história de horrores.

Respeitosamente,
Lemony Snicket"

Serraria Baixo – Astral
Serraria Baixo-Astral

Autor: Lemony Snicket

Editora: Seguinte

Ano: 2016

Número de Pags: 176


Na opinião de Lemony Snicket, "de todos os volumes que contam a vida infeliz dos órfãos Baudelaire, Serraria baixo-astral talvez seja o mais triste até agora". Alto-Astral é o nome da serraria que serve de cenário para as novas calamidades que Klaus, Violet e Sunny serão obrigados a viver. Trata-se de uma "ironia do destino", pois ali, no meio daquelas árvores derrubadas, daquelas enormes toras de madeira, o que as três crianças vão encontrar é mais uma coleção de coisas horripilantes, tais como uma gigantesca pinça mecânica, bifes do tipo sola de sapato, uma hipnotizadora e um homem com uma nuvem de fumaça no lugar da cabeça. A vida dos Baudelaire é mesmo muito diferente da vida da maioria das pessoas, "a diferença principal estando no grau de infelicidade, horror e desespero"...

Diante desse quadro, algum leitor desavisado pode desconfiar: "Como é que alguém vai se divertir com um livro desses, se as personagens não param de sofrer?!". A pergunta faz sentido, mas é justamente aí que descobrimos um dos melhores segredos de Lemony Snicket, pseudônimo do americano Daniel Handler. Ele leva o exagero às raias do absurdo, faz o realismo perder feio para o mais deslavado faz-de-conta e o resultado não poderia ser outro: um jogo literário incessantemente bem-humorado.



Diante dessas quatro resenhas, eu nem preciso dizer que em todos esses quatro livros acontece muita desgraça né? Eles são sem dúvidas, um dos personagens mais azarados que eu já encontrei. Tive muita dó, mas especialmente indignação.

Nesses quatro primeiros livros, acompanhamos os Baudelaires passarem primeiramente pelas mãos do Conde Olaf, um homem cruel e ranzinza, e que deixa claro para as crianças que está atrás apenas da fortuna deixada pelos pais. E ele tenta de tudo, tudo mesmo para conseguir isso. Mas felizmente ele é “desmascarado” (ele mesmo o faz) e quase é preso, mas consegue fugir, para o desespero das crianças.

E então eles passam para seus próximos tutores, no segundo livro seu tio que estuda répteis, e no terceiro livro sua tia que era extremamente destemida, mas que após um trauma ela tem medo de aparentemente tudo, até da própria sombra. E apesar da peculiaridade dos adultos, eles acabam encontrando de alguma forma, o conforto do lar.

Até, é claro, Olaf reaparecer com seus disfarces e esquemas para acabar com a pequena felicidade que conseguiram, e voltar a colocar as mãos nos órfãos, e é claro, na sua fortuna. Os irmãos entendem de cara quem é a pessoa, e tentam de qualquer forma descobrir e frustrar os planos desse ser malévolo, mas por serem crianças, e terem de obedecer ao que os adultos dizem que devem ser feito, eles se encontram muitas vezes encurralados e sem saber o que fazer, o que me deixou ao longos da leitura muito frustrada por se sentir impotente, e ver que quem realmente poderia ajuda-los, de uma forma ou de outra não consegue enxergar através dos disfarces de Conde Olaf, o que me deixa indignada, porque pra ser confundido com uma mulher em uma das ocasiões, só se a pessoa fosse cega.

Eles sofrem longas perdas ao longo dos livros, e no quarto, seu tutor é dono de uma fábrica, e sem mais nem menos os colocam para trabalhar com as piores condições do mundo, e como se não bastasse, Conde Olaf está de volta, é claro. Mas apesar de tudo o que os irmãos sofreram, eles consegue sempre sentir o conforto de ter um ao outro por perto, em que se apoiar. E isso fica ainda mais claro quando algo muito ruim acontece a um dos irmãos no quarto livro, e eles quase o “perdem”. Sentir o desamparo ser amenizado um pouco pela presença dos irmãos é algo muito bonito e trabalhado nesse livro.

O autor desde o começo já deixa muito claro que em todos os livros, só veremos infelicidade nessa história, e que se não é o que procura, deveria logo fechar este livro e procurar outro. A escrita é feita como uma forma de conversa, e ele diversas vezes interrompe a narrativa para colocar seu ponto de vista, ou explicar alguns erros de personagens. Por vezes é interessante, mas algumas vezes foi cansativo. Ele também sempre deixa claro as habilidades únicas dos três irmãos, em todos os livros.
Particularmente, não senti muita diferença entre os quatro livros até agora, sempre com o mesmo padrão de acontecimentos. Espero que isso mude nos próximos, porque ler 13 livros assim com certeza vai me deixar louca.

Foto do Seriado original do Netflix

A série que saiu agora pela Netflix está bem autêntica, e com algumas informações extras que por enquanto ainda não foram esclarecidas nos livros, mas que possuem em um livro a parte da série.
Tem também uma adaptação para cinema com Jim Carrey, que resume bem três livros, ficou mais dinâmico e apesar de pular várias partes, é bom para ter uma noção de como é o ritmo, e se vale a pena passar para o seriado, ou aos livros.

Adaptação para as telas do cinema



E é isso, estou empolgada para saber como vai ser a sequência, e torço muito para que eles consigam encontrar um lugar para chamar de lar. Conforme eu for lendo, vou fazendo as resenhas por aqui.

You May Also Like

1 comentários

  1. Olá,
    Quero muito ler os livros dessa série, pois gosto muito da história, apesar de só ter visto o filme.
    Eles estão na minha lista de leituras.
    Bjs e uma ótima noite!
    Diário dos Livros
    Siga o Instagram

    ResponderExcluir